Museu de Conimbriga

imagens/s1863r.jpg cc_19890518_cdn_vestigioscivilizromana.jpgimagens/selo_pt_maravilhas_conimbriga_2007.jpg

O Museu de Conimbriga está ligado às ruinas romanas de Conimbriga.

São várias as peças filatélicas que retratam esta importante presença romana em Portugal:

imagens/pm_cdn_vestigiosromanos_marcadia_19891018.jpg

bloco_7maravilhasdeportugal01.jpg

imagens/pm_cdn_20070614_maravilhas_car1dia.jpg

imagens/pm_condeixa_20080808_maravilhas_conimbriga_1.jpg imagens/pm_condeixa_20080808_maravilhas_conimbriga_2.jpg

O edifício do Museu Monográfico de Conimbriga foi desenhado por Fernando Lanhas

imagens/selo_pt_2011_museu_arte_contemporanea_fernando_Lanhas.jpg

Fernando Resende da Silva Magalhães Lanhas nasceu na freguesia da Vitória, na cidade do Porto, em 16 de Setembro de 1923, fruto do segundo casamento de Luís da Cunha Magalhães Lanhas, comerciante de tecidos, com Maria Amélia Resende da Silva Magalhães Lanhas, modista.

No ano de 1941 inscreveu-se no Curso Especial de Arquitectura, da  Escola de Belas Artes do Porto , depois do qual se matriculou, no ano de 1945, no Curso Superior de Arquitectura, na mesma instituição de ensino. Terminou estes estudos em 1947 com a apresentação de um projecto sobre a construção de um museu.

Nos anos passados na ESBAP mostrou-se um aluno atento e empenhado. Nesta instituição dirigiu o Grupo de Estudantes de Belas Artes. Teve por colegas  Nadir Afonso  e  Júlio Pomar , com quem conversava sobre Arte. Começou a pintar quadros figurativos, que rapidamente se transformaram em obras abstractas. Envolveu-se na organização das Exposições Independentes dos Alunos da ESBAP, em 1944, e colaborou na página "Arte" do jornal diário do Porto, "A Tarde", em 1945. Pouco depois viajou até Paris, onde visitou e desfrutou de importantes certames de Arte, como o Sallon des Réalités Nouvelles , em 1947.

Entre 1948 e 1951 publicou desenhos na  Portucale, Revista de Cultura Literária, Científica e Artística , e participou em várias exposições. Em 1951 entrou no concurso para professor do Ensino Técnico Profissional e realizou provas para obtenção do Diploma de Arquitecto. Nesse ano, em colaboração com os arquitectos  Viana de Lima ,  Arménio Losa  e Cassiano Barbosa, organizou uma exposição de Arquitectura, impulsionada pela Organização dos Arquitectos Modernos, que teve lugar no Porto e, no ano seguinte, em Aveiro, e fez, ainda, o mapa do digrama da cor das obras do pintor Dominguez Alvarez.

Em 1953 casou com Maria Luísa Pereira Viana com quem teve dois filhos. Nesse ano, expôs em Lisboa, no Brasil e em Veneza, desenvolveu vários projectos arquitectónicos e começou a fazer colagens.
Em 1954 dirigiu os números 1 e 2 das  Publicações de Arte Contemporânea  e participou no I Salão de Arte Abstracta. Dessa data até 1958 riscou uma habitação. Em 1956 ocupou o cargo de arquitecto estagiário na  Escola Superior de Belas Artes do Porto  e, entre 1958 e 1962, centrou-se no projecto a "Casa do Espaço".

Desde os anos 60 desenvolveu o gosto pelo estudo dessa área do saber. Em 1963 elaborou o "Quadro Geral do Universo", em 1965 construiu um modelo reduzido do "Grupo Local das Galáxias", e no final da década estudou a hipótese de um universo com predomínio progressivo de um vão central; nos anos 70, na actual Escola Secundária Garcia de Orta, criou a Sala de Cosmografia, a primeira sala deste género no país, reconhecida pela NASA devido à sua importância didáctica e que motivou o convite feito a um aluno daquele Liceu para estar presente no lançamento da nave Apollo14. Infelizmente, esta sala desapareceu no período pós 25 de Abril de 1974. Neste ano, construiu um "Cosmoscópio", um livro onde reuniu programas sobre acontecimentos do universo e, em 1982, instalou no Museu Municipal de Paredes, um Diorama de Astronomia; em simultâneo, elaborava a "Carta das distâncias entre o Sol e algumas estrelas".

Como arqueólogo amador também deixou a sua marca, realizando o "Inventário dos lugares com interesse Arqueológico", que começou a ser publicado em 1965 em colaboração com D. Domingos de Pinho Brandão. Em ligação com a Arqueologia também se interessou pela Paleontologia, Biologia e Geologia. Em 1968 elaborou um estudo sobre a sinalização dos Monumentos Arqueológicos. Em 1969 publicou artigos a propósito das investigações por si realizadas na  Revista de Etnografia . Em 1970 participou no II Congresso Nacional de Arqueologia, realizado em Coimbra. Em 1971 publicou estudos nas actas deste congresso, em parceria com D. Domingos de Pinho Brandão. Em 1972 participou nas II Jornadas Arqueológicas, em Lisboa. Das suas descobertas arqueológicas podem referir-se, entre outras, o Castro de S. Paio, em Labruge (1967) e a gravura rupestre no Monte da Luz, na Foz do Douro (1972).

O gosto pela Museologia, que nascera nos seus tempos de estudante, foi reavivado durante os anos 80. Projectou e executou montagens de colecções no Museu Municipal da Figueira da Foz, no Museu Monográfico de Conímbriga, no Museu Militar do Porto e na Biblioteca-Museu Municipal de Paredes. Planeou, também, o  Museu de Mineralogia da Faculdade de Ciências do Porto  e o Centro de Arte e Cultura Popular, em Via Nova de Famalicão.

É um homem de múltiplos interesses. Arquitecto de formação, é igualmente pintor, desenhador, poeta, arqueólogo, astrónomo e coleccionador por vocação.

Na sua faceta de arquitecto presta grande atenção ao desenho e tem preferência pelas formas simples e funcionais, deixando transparecer influências da Bauhaus. Gosta de projectar moradias urbanas, modernas, mas respeitadoras da tradição, e espaços museológicos de forte pendor pedagógico. Entre as muitas que realizou, destacam-se as seguintes obras: o projecto nunca realizado da Casa do Espaço (1958-1962); Prédio de Rendimento, Porto (1957); Moradias no Porto e em Espinho (1959, 1970); Pavilhão de Exposições de Matosinhos (1964); Museu Monográfico de Conímbriga (1982) e Centro de Arte e Cultura de S. Pedro de Bairro, em Famalicão (1986).
Apesar de não ser considerado um pintor, é tido como um dos pioneiros da abstracção geométrica em Portugal. A obra  02-44  ou  O Violino , exposta pela primeira vez em 1945, na III Exposição Independente, em Lisboa, e que hoje integra a colecção da  CAM , é um marco histórico na pintura portuguesa. Numa época em que muito artistas seguiam a corrente neo-relista, Lanhas escolheu um caminho revolucionário. A sua obra pictórica é feita de aguarelas, serigrafias, pinturas sobre seixos rolados, colagens e xilogravuras.

Também não se reclama um poeta, mas é autor de composições caracterizadas por um grande rigor formal e pela contenção da ideia.
O interesse pela arqueologia e astronomia vem da sua busca incessante pelas origens, que estendeu ao coleccionismo. É um coleccionador de fósseis, seixos, areias de diversas partes do mundo, rochas, brinquedos, rótulos, anúncios, etc. Reúne e cria colecções devidamente rotuladas e também se interessa por fotografia, sobretudo antiga. 

Adaptado de: 
http://sigarra.up.pt/up/web_base.gera_pagina?P_pagina=2448

 

 


Página Principal

Copyright © 2007-2011 J. Cura - Portugal

[Voltar]