D. Afonso Henriques

 

Afonso Henriques, o primeiro Rei de Portugal, nasceu em 1109 na cidade de Coimbra.imagens/ip_afonsohenriques.jpg

É filho do Conde Henrique de Borgonha e de D. Teresa, esta, filha bastarda de D. Afonso VI de Leão e Castela, que dera ao seu genro o Condado de Portugal.

Perde o pai muito cedo e, com apenas 17 anos, assume a governação do Condado Portucalense para tentar satisfazer as aspirações do seu pai: a independência.

Inicia-se um período de lutas contra os mouros para firmar e aumentar o domínio territorial e contra D. Afonso VII, o novo rei de Leão e Castela, para que este reconhecesse a independência.

No dia 25 de Julho de 1139, Afonso Henriques trava a Batalha de Ourique contra os Mouros. Esta batalha ficou para sempre na memória dos portugueses e permanece no brasão do país – cinco escudos, cinco quinas, cada qual com cinco bolas representando os cinco reis mouros degolados na batalha – transforma Afonso Henriques em rei de facto e de direito, e define a identidade lusa.

Quando, em 1179, a Igreja de Roma, finalmente, reconhece a realeza de Afonso Henriques, o reconhecimento já não tem importância. A independência estava consumada, Portugal afirmara a sua soberania e o infante encerrava a vida como rei de primeira grandeza.

As derrotas de Afonso VII terminam com a assinatura do Tratado de Zamora, em 1143 e que concede a independência do Condado Portucalense que passa a chamar-se Reino de Portugal.

D. Afonso Henriques casou com a filha do conde de Mouriana e Sabóia, Mafalda de Sabóia, em 1146, de quem teve sete filhos, entre eles o herdeiro Sancho.

Após um reinado de quase 60 anos, Afonso Henriques morre no dia 6 de Dezembro de 1185, em Coimbra, e o seu corpo é enterrado no Mosteiro de Santa Cruz. A sua herança, além de uma imensa fortuna, é o Condado Portucalense, primeiro território europeu a estabelecer a sua identidade nacional.